Cidade de São Paulo: violência contra as mulheres cresceu 64% em quatro anos

O feminicídio também aumentou: de 95 casos em 2016 para 163 três décadas depois, um aumento de 72%.

violência contra mulheres

A quantidade de violência homofóbica e transfóbica também aumentou - de 240 para 279 ocorrências, um aumento de 16% - e de racismo e lesão racial, de 1.454 ocorrências para 2.320, uma diferença de 60% no mesmo período.

As áreas centrais foram as que concentraram os casos de violência de gênero e raça. No caso da violência contra a mulher, o bairro Sé registrava 865 vítimas para cada 10.000 moradores, quase quatro vezes maior que a média da cidade (228 por 10.000) em 2019.

Também na Catedral, ocorreram mais casos de violência racial e lesões: 24,2 casos para cada dez milhões de habitantes, doze vezes maior que a média da cidade (2,0 por 10.000).

Os episódios de violência LGBTQIAP + também se concentraram mais na zona central, neste caso na zona da Liberdade, com 26,2 ocorrências por cada 100 mil habitantes, mais de dez vezes a média da cidade (2,4 por 100 mil).

Em termos de expectativa de vida, o Dow apresentou disparidades gritantes: a idade média ao morrer no Jardim Ângela, na zona sul, é de 58,3 anos, contra 81,5 no Jardim São Paulo. A expectativa de vida na cidade era de 68 anos em 2019.

O que evoluiu na contra mulheres


Os dados favoráveis ​​do Mapa 2020 resultaram da queda da mortalidade infantil na cidade, de 12% entre 2012 e 2019, e também do aumento da coleta particular de lixo, cuja tonelagem quase dobrou em sete anos: de 40.275 montes para 77.292 a cada ano. 

Aqui, porém, as diferenças são excelentes entre as áreas: na Vila Mariana, no sul, é coletado 42 vezes mais do que no Itaim Paulista, no leste.

Publicado desde 2012, o site da Desigualdade abrange dez temas diferentes: pessoas, meio ambiente, liberdade, direitos individuais, moradia, saúde, educação, cultura, esporte, trabalho / renda. As fontes dos dados são oficiais e dizem respeito a cada um dos 96 distritos dos fundos.

Tipos de violência contra mulheres


Violência contra a mulher - não é qualquer comportamento - ação ou omissão - de discriminação, agressão ou coação, provocado pela verdade fácil de que a vítima é uma menina e causa lesão, morte, constrangimento, limite, físico, sexual, moral, emocional , sofrimento social, perda política ou econômica ou patrimonial. Essa violência pode acontecer tanto em espaços privados quanto públicos.

Violência de gênero - violência sofrida pelo fato de ser mulher, independentemente de raça, classe social, religião, idade ou qualquer outra condição, produto de um sistema social que subordina o sexo feminino.

Violência doméstica - se ocorre em casa, no ambiente doméstico, ou em relação de familiaridade, afetividade ou coabitação.

Violência familiar - violência que ocorre no interior do domicílio, ou seja, nas relações entre membros do domicílio, formadas por parentesco natural (pai, mãe, filha etc.) ou cívico (cônjuge, sogra, padrasto ou outro) pessoas), por afinidade (por exemplo, o primo ou tio do marido) ou parentesco (amigo que reside justamente na mesma casa).

Violência física - uma ação ou omissão que põe em perigo ou danifica a integridade física de uma pessoa.

Violência institucional - tipo de violência motivada por desigualdades (gênero, étnico-racial, econômica, etc.) prevalentes em diferentes sociedades. 

Essas desigualdades são formalizadas e institucionalizadas a partir das diferentes organizações privadas e aparelhos do Estado, além dos diferentes grupos que constituem essas sociedades.

Violência intrafamiliar / violência doméstica - ocorre dentro de casa ou unidade nacional e geralmente é praticada por um membro da família que reside com a vítima. Os ataques nacionais incluem: abuso físico, sexual e psicológico, negligência e abandono.

Violência moral - ação realizada para caluniar, difamar ou prejudicar a honra ou a reputação de uma mulher.

Violência de propriedade - um ato de violência que envolve dano, perda, subtração, destruição ou retenção de objetos, documentos pessoais, valores e propriedade.

Violência emocional - ação ou inação destinada a degradar ou restringir as atividades, comportamentos, crenças e decisões de outra pessoa por meio de intimidação, manipulação, ameaça direta ou indireta, humilhação, isolamento ou qualquer outra conduta que implique dano ao bem-estar emocional, autodeterminação ou desenvolvimento pessoal.

Violência sexual - ação que obriga uma pessoa a manter contato sexual, físico ou verbal, ou a participar de relações sexuais adicionais com o uso da força, intimidação, coerção, chantagem, suborno, manipulação, perigo ou outro mecanismo que cancele ou limite o vai pessoal. 

A violência sexual também é considerada que o agressor obriga a vítima a executar algumas dessas ações com terceiros.

Também consta do Código Penal Brasileiro: o abuso sexual pode ser distinguido física, emocionalmente ou com ameaça, incluindo estupro, tentativa de estupro, agressão indecente e ato obsceno.

A violência contra as mulheres é uma das principais formas de violação de seus direitos individuais, afetando-as em seus direitos à vida, à saúde e à integridade física. Ele estrutura a desigualdade sexual. Na verdade, o conceito definido na Convenção de Belém do Pará (1994) aponta para essa amplitude, especificando violência contra a mulher como 

“qualquer atividade ou conduta, baseada no gênero, que desencadeie morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou emocional a ambos. nas esferas pública e privada ”. 

Junto com as violações dos direitos das mulheres e de sua integridade física e psicológica, a violência também afeta a melhoria econômica e social de uma nação.

A violência afeta mulheres e homens de maneiras diferentes. Grande parte da violência cometida contra meninas é praticada no mundo privado, enquanto aquelas que influenciam os homens acontecem, principalmente, nas estradas. 

Dentre as principais variedades de violência praticada contra a mulher acontece dentro de casa, que pode ser praticada por homens e mulheres próximos de sua convivência, como maridos / namoradas ou companheiros, e também é praticada de diversas formas, desde agressões físicas até emocionais e verbais. 

Onde deveria haver uma relação de afeto e respeito, existe uma conexão de violência, que muitas vezes é invisível por estar ligada a papéis que são culturalmente atribuídos às pessoas. 

Tal situação dificulta a denúncia e a denúncia, pois torna as mulheres agredidas ainda mais vulneráveis ​​à violência. A pesquisa mostra que, segundo estatísticas de 2006 a 2010 da Organização Mundial da Saúde, o Brasil está entre os dez estados com maior número de homicídios femininos

A informação é ainda mais alarmante quando se constata que, em mais de 90 por cento dos casos, o homicídio contra a mulher é cometido por homens com quem a vítima mantinha uma relação afetiva, muitas vezes na casa das mulheres.

Um dos instrumentos mais significativos para o enfrentamento da violência doméstica e familiar contra a mulher é a Lei Maria da Penha - Lei 11.340 / 2006. 

Esta legislação, além de definir e tipificar as formas de violência contra a mulher (física, emocional, sexual, patrimonial e ética), prevê também o desenvolvimento de serviços especializados, como os que integram a Rede de Enfrentamento à Violência contra a Mulher, composta por instituições de segurança pública, justiça, saúde e assistência social.

A Lei Maria da Penha teve uma vitória significativa em fevereiro de 2012, por decisão do STF, ao estabelecer que qualquer pessoa poderia documentar oficialmente uma denúncia de violência contra meninas, e não apenas as pessoas que estão por trás dessa violência.

Não é apenas no âmbito doméstico que as mulheres estão vulneráveis ​​a este problema da violência. Isso pode afetá-los em diferentes espaços, a exemplo da violência institucional, que ocorre quando um funcionário público a pratica, e pode se caracterizar pelo não atendimento a casos que envolvam maus-tratos e preconceito. Esse tipo de violência também pode mostrar outras práticas que violam os direitos das mulheres, como a discriminação racial.

O assédio também é uma violência que pode ocorrer no consultório, onde muitas vezes a menina é intimidada, devido a esse tipo de clínica ser exercida principalmente por pessoas que ocupam posições hierárquicas superiores a elas.

Mulheres bissexuais e heterossexuais podem sofrer diversos tipos de violência em função de sua orientação sexual, desde agressões corporais, verbais e psicológicas, até estupros corretivos (que visam modificar a orientação sexual da mulher). 

As mulheres transexuais também se tornam alvos de inúmeros preconceitos e agressões, e ainda lidam com a violência nas instituições, como as que acontecem no ambiente de trabalho e nos serviços de saúde. 

O tráfico de mulheres, que tem como objetivo a exploração sexual, trabalhos ou serviços forçados, escravidão, servidão, remoção de órgãos ou união servil, envolve uma ampla rede de atores e ocorre local e globalmente, e é constituído por violações dos direitos humanos das mulheres .

O enfrentamento dos múltiplos tipos de violência contra a mulher é uma demanda importante em termos de condições dignas e justas para as mulheres. 

A mulher deve ter o direito de não sofrer agressões do espaço público em geral ou privado, de ser admirada em suas especificidades e de ter garantido o acesso aos serviços da comunidade para resistir à violência contra a mulher, quando passa por situação em que sofreu algum tipo de violência. Agressão, seja física, psicológica, psicológica ou verbal. 

É dever do Estado e necessidade da sociedade enfrentar todos os tipos de violência contra as meninas. Reprimir, punir e eliminar todas as formas de violência devem ser preceitos básicos de uma nação que valoriza uma sociedade justa e igualitária entre homens e mulheres.

Definição Organização das Nações Unidas


A Organização das Nações Unidas definem a violência contra as mulheres como "qualquer ação de violência baseada no gênero que resulte ou possa resultar em dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico às mulheres, incluindo ameaças de tais atos, coerção ou privação arbitrária de liberdade, seja na vida pública ou na vida privada. " 

Violência por parceiro íntimo significa comportamento de parceiro ou ex-parceiro amoroso que causa dano físico, psicológico ou sexual, como agressão física, coerção sexual, abuso emocional e comportamentos controladores.

Violência sexual é "qualquer ato sexual, tentativa de obter um ato sexual ou outra ação dirigida contra a sexualidade de um indivíduo por meio de coerção, por qualquer indivíduo, independentemente de sua relação com o sofredor, em qualquer ambiente. Inclui estupro, definido como fisicamente forçado ou penetração forçada da vulva ou ânus com um pênis, outra parte do corpo ou coisa. "


Escopo do problema


Pesquisas em nível de população baseadas em relatórios de vítimas fornecem as estimativas mais precisas da incidência de violência por parceiro íntimo e violência sexual.

Quase um terço (30%) de todas as mulheres que estiveram em um relacionamento sofreram abuso sexual ou físico por parte de seu parceiro íntimo. As estimativas de incidência de violência por parceiro íntimo variam de 23,2% em países de alta renda e 24,6% da região do Pacífico Ocidental da OMS a 37% na região do Mediterrâneo Oriental da OMS e 37,7% na área do Sudeste Asiático da OMS.

Além da violência praticada pelo parceiro íntimo, globalmente 7 por cento das mulheres relatam ter sido abusadas sexualmente por alguém que não seja o cônjuge, embora as informações sobre abuso sexual por não parceiro sejam mais limitadas. O abuso sexual e o parceiro íntimo são cometidos principalmente por homens contra mulheres.

Fatores de risco


Fatores associados ao parceiro íntimo e abuso sexual ocorrem em níveis individuais, familiares, comunitários e sociais em geral. Alguns estão associados a ser um perpetrador de violência, alguns estão associados a sofrer violência e alguns estão relacionados a ambos.

Fatores de risco para parceiro íntimo e abuso sexual incluem:

  • Fatores especificamente associados à violência por parceiro íntimo incluem:
  • História anterior de violência
  • discórdia conjugal e insatisfação
  • problemas na comunicação entre parceiros
  • comportamentos de controle masculino em relação a seus parceiros.

Fatores especialmente associados à perpetração de violência sexual incluem:

  • Fé na honra da família e inocência sexual
  • ideologias de direito sexual masculino
  • fracas sanções legais para a violência sexual.

A desigualdade de gênero e os padrões sobre a aceitabilidade da violência contra as mulheres são a causa raiz da violência contra as mulheres.

Consequências para a saúde


A violência por parceiro íntimo (física, sexual e psicológica) e a violência sexual causam graves problemas de saúde física, mental, sexual e reprodutiva a curto e longo prazo para as mulheres. Eles também impactam seus filhos e contribuem para altos custos sociais e econômicos para as mulheres, suas famílias e sociedades. Essa violência poderia:

Têm consequências mortais como homicídio ou suicídio.


Levou a lesões, com 42 por cento das mulheres que sofreram violência por parceiro íntimo relatando uma lesão como resultado dessa violência.

Levam a gravidezes indesejadas, abortos induzidos, problemas ginecológicos e doenças sexualmente transmissíveis, como o HIV. A análise de 2013 descobriu que as mulheres que sofreram abuso sexual ou físico tinham 1,5 vezes mais probabilidade de ter uma infecção sexualmente transmissível e, em algumas regiões, HIV, em comparação com as meninas que sofreram abuso do cônjuge. 

Eles também têm duas vezes mais chances de fazer um aborto. O mesmo estudo de 2013 revelou que as meninas que sofreram violência pelo parceiro íntimo tinham 16 por cento mais probabilidade de sofrer um aborto espontâneo e 41% mais probabilidade de ter um parto prematuro.

Essas formas de violência podem resultar em depressão, estresse pós-traumático e outros transtornos de ansiedade, dificuldades para dormir, transtornos alimentares e tentativas de suicídio.

Os efeitos na saúde também podem ter dores de cabeça, dores nas costas, dores abdominais, doenças gastrointestinais, mobilidade limitada e problemas de saúde geral.

O abuso sexual, especialmente durante a infância, pode levar a maior tabagismo, abuso de álcool e drogas e comportamentos sexuais de risco na vida adulta.

Impacto nas crianças


Crianças que crescem em famílias onde há violência podem sofrer uma série de distúrbios comportamentais e psicológicos. Isso também pode estar associado à prática ou à experiência de violência mais tarde na vida.

A violência praticada pelo parceiro íntimo também foi correlacionada com maiores taxas de mortalidade e morbidade infantil (por meio de doenças diarreicas ou desnutrição).

Preços sociais e econômicos


As meninas podem sofrer isolamento, incapacidade para o trabalho, perda de salários, falta de envolvimento em atividades regulares e capacidade limitada de cuidar de si mesmas e de seus filhos.

Prevenção e resposta


Há um número crescente de estudos bem elaborados que examinam a eficácia dos programas de prevenção e resposta. Mais fundos são necessários para fortalecer a prevenção e a resposta à violência sexual e por parceiro íntimo, incluindo a prevenção primária - impedindo que ela ocorra em primeiro lugar.

Há algumas evidências de países de alta renda de que as intervenções de advocacy e aconselhamento para melhorar o acesso a serviços para sobreviventes de violência praticada pelo parceiro íntimo têm êxito na redução desse tipo de violência. Mas, eles devem ser avaliados para serem usados ​​em locais com poucos recursos.

Em locais com poucos recursos, as estratégias de prevenção que se mostraram promissoras incluem: aquelas que empoderam as mulheres social e economicamente por meio de uma combinação de microfinanças e treinamento de habilidades relacionadas à igualdade de gênero; que estimulem as habilidades de comunicação e relacionamento entre casais e comunidades; que ganham acesso e uso perigoso de álcool; transformar as normas sociais e de gênero prejudiciais por meio da mobilização da comunidade e da educação participativa em grupo com homens e mulheres para criar reflexões significativas sobre as desigualdades de gênero e conexões de energia.

Para alcançar uma mudança duradoura, é importante promulgar e fazer cumprir as leis e criar e implementar políticas que incentivem a igualdade de gênero:

  1. Acabar com a discriminação contra as mulheres nas leis de casamento, divórcio e custódia
  2. acabar com a discriminação na legislação de herança e propriedade de recursos
  3. melhorando o acesso das mulheres a empregos remunerados
  4. crescimento e recursos para políticas e planos federais para lidar com a violência contra as mulheres.

Embora a prevenção e a resposta à violência contra as mulheres exijam uma estratégia multissetorial, o setor da saúde tem um papel importante a desempenhar. A indústria da saúde pode:

Advogar para gerar violência inaceitável contra as mulheres e também para que tal violência seja tratada como um problema de saúde pública.

Evite a recorrência da violência durante a identificação precoce de mulheres e crianças que estão sofrendo violência e fornecendo encaminhamento e apoio adequados

Promova normas igualitárias de gênero como parte de habilidades para a vida e currículos de educação sexual abrangente ensinados a jovens.

Gerar provas sobre o que funciona e sobre a magnitude do problema, realizando pesquisas de base populacional, ou como violência contra meninas em pesquisas demográficas e de saúde de base populacional, além de sistemas de vigilância e informação em saúde.

Resposta da OMS


Na Assembleia Mundial da Saúde em maio de 2016, os Estados Membros endossaram um plano de ação global para fortalecer a função dos programas de saúde no enfrentamento da violência interpessoal, em particular contra mulheres e mulheres e contra crianças.


A OMS, em cooperação com parceiros, é:


Reunir a base de evidências sobre o tamanho e o caráter da violência contra as mulheres em vários cenários e apoiar os esforços dos Estados para documentar e medir essa violência e suas consequências, como o aprimoramento dos métodos de medição da violência contra as mulheres no contexto de observação para seu Desenvolvimento Sustentável Metas. 

Isso é essencial para compreender o tamanho e a natureza do problema e para iniciar a atividade nos países e internacionalmente.

Fortalecimento da pesquisa e da capacidade de avaliar intervenções para lidar com a violência praticada pelo parceiro.

Realizar pesquisas de intervenções para testar e identificar intervenções eficazes no setor de saúde para enfrentar a violência contra meninas.

Desenvolvimento de diretrizes e recursos de implementação para fortalecer a resposta do setor de saúde ao abuso sexual e do parceiro íntimo e sintetizar evidências sobre o que funciona para impedir tal violência.

Apoiando parceiros e países para executar a estratégia global de ação contra a violência ao:

Colaborar com agências e organizações internacionais para reduzir e eliminar a violência globalmente por meio de iniciativas como a Sexual Violence Research Initiative, Together for Women, o Grupo de Trabalho sobre Violência contra Mulheres da Federação Internacional de Obstetras e Ginecologistas (FIGO) e o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o Essential Pacote de Serviços para Mulheres Sujeitas à Violência.
Postagem Anterior Próxima Postagem