Imagens de satélite dos desastres naturais em 2022

Os desastres naturais não são novidade para o mundo moderno. Elas ocorrem todos os anos em diferentes partes do mundo. Até agora, a humanidade tem sido capaz de prever e lidar com eles em parte grande. Infelizmente, os efeitos da mudança climática estão se tornando cada vez mais significativos.

Os desastres naturais estão se tornando quase incontroláveis devido à sua escala e severidade a cada ano que passa. A solução óbvia é criar um mecanismo mais eficaz para monitorar, gerenciar e prever desastres naturais. Tudo isso é possível através da análise de dados geoespaciais, que coleta, visualiza e analisa diferentes tipos de informações. Eles ajudam a detectar mudanças, monitorar eventos e prever situações.

Desastres Naturais 2022

Após meses de chuvas torrenciais, imagens em tempo real de satélites do Paquistão mostraram que um terço do país estava debaixo de água. O desastre começou em meados de junho e já matou mais de 1.000 pessoas. As tempestades causaram o transbordamento do Rio Pérola, causando inundações no Mississippi. A crise deixou a cidade com falta de água para consumo humano.

As temperaturas recordes neste verão devastaram o Oriente Médio, África, Ásia e Europa, levando a secas e incêndios florestais. Na China, ondas de calor com duração de meses secaram partes do rio Yangtze, o maior rio da Ásia. E os tornados estão em fúria nos EUA e no Japão. Assim é o mundo moderno.

Imagens e dados de satélite: previsão e avaliação de danos de desastres

Os satélites em órbita ao redor da Terra estão sendo cada vez mais usados para monitorar desastres, e as imagens e dados que eles fornecem são usados para medir o impacto do desastre para fins de socorro e avaliação de danos. Tais imagens são inestimáveis para a recuperação pós-catástrofe, pois fornecem uma visão geral e informações que as pessoas no terreno não podem obter. Em geral, para obter imagem em tempo real da terra deve ser feito o monitoramento de desastres.

Características principais são:

  1. As  imagens por satélite em tempo real, complementadas por dados sobre anomalias de temperatura, permitem detectar áreas secas e, portanto, propensas ao fogo. Vários programas baseados em dados de satélite fornecem dados sobre o tipo de vegetação e vento. Este procedimento é útil para estimar a taxa de propagação do fogo e planejar medidas de mitigação do fogo.
  1. A detecção remota é necessária para monitorar rios, lagos e mares a fim de prevenir os riscos associados.
  2. A análise de  imagem por satélite em tempo real pode ser usada para estudar as águas subterrâneas e superficiais, o que é essencial para projetar construções em áreas conhecidas pela atividade sísmica. 
  1. Os vulcões podem causar destruição generalizada e os dados de satélite podem ser usados para monitorar e até mesmo prever a atividade sísmica, produtos de imagens óticas podem ser usados para mapear a atividade vulcânica.
  1. Os dados de satélite ao vivo da terra em tempo real oferecem uma oportunidade única para medir mudanças sutis na superfície terrestre, que são muitas vezes precursoras de terremotos.
  1. O monitoramento via satélite de inundações é necessário para fornecer dados para auxiliar os socorristas.
  1. Dados de satélite quase em tempo real podem ajudar a reduzir o impacto das manchas de óleo. As operações terrestres podem ser planejadas de forma mais eficaz através do monitoramento da propagação e da previsão das áreas afetadas.

Gestão de risco de desastres por meio de monitoramento via satélite

Tecnologias baseadas no espaço e ferramentas de sensoriamento remoto oferecem oportunidades úteis para a coleta de dados vitais. Tecnologias de satélite e técnicas de sensoriamento remoto podem ser usadas para monitorar a situação de um desastre – antes, durante e após o evento. Os satélites fornecem dados de base úteis em relação aos quais as mudanças futuras podem ser avaliadas.

A tecnologia de satélite também é essencial para o alerta antecipado. A capacidade de determinar onde há concentrações de populações, especialmente as mais vulneráveis, que estão localizadas em áreas de desastre. Por exemplo, o Sistema de Alerta de Tsunami do Pacífico é baseado em dados de satélite; coletados de bóias no mar ou medidores de maré nos portos, as informações são transmitidas aos centros de alerta.

Existe agora uma tendência para satélites menores, o que não só reduziu o custo de construção, lançamento e operação de satélites, mas também possibilitou uma implantação mais rápida e flexível e tornou possíveis alianças de satélites.

Um número crescente de atores privados e públicos no setor espacial está planejando lançar e operar pequenos satélites nos próximos anos. Atualmente, há cerca de 3.000 objetos artificiais ativos orbitando a Terra. Em 2030, esse número poderá aumentar para 100.000. Cada canto do nosso planeta será coberto pela Internet e pelas comunicações.

Não há mais lugares na Terra sem satélites. Eles são parte da vida humana. Eles são os ajudantes que prevêem os desastres naturais e ajudam a encontrar soluções em áreas já danificadas do mundo. Eles são uma ferramenta para a resposta moderna a um tópico sensível como a mudança climática na Terra.

Imagens de satélite dos desastres naturais