A importância das referências bibliográficas: como o plágio pode afetar seu texto e vida acadêmica

As múltiplas possibilidades de interpretação, embora subestimadas e muitas vezes deixadas de lado, compõem um elemento fundamental a ser considerado ao escrever um texto: o sentido. Para que seu texto não abra brechas para a interpretação errônea é fundamental que haja uma concordância entre o que foi dito, os recursos utilizados (fontes bibliográficas) e a mensagem que será transmitida através do colocar dos mesmos. Diante disso, torna-se fundamental a implementação de uma seção de referência bibliográfica acompanhada de fontes bibliográficas ao montar seu texto, evitando o plágio e más concepções.

A maneira como fazer referência bibliográfica irá variar de acordo com o contexto, por exemplo: em uma situação formal, como em trabalhos acadêmicos, você deve implementar as referências bibliográficas de acordo com as normas da ABNT em seu texto. Novamente, não há uma maneira única de se fazer referências bibliográficas, exemplos: o estudante universitário pode optar por fazer a formatação de referências bibliográficas online ou manualmente, como na maneira tradicional, sem o auxílio de algoritmos que automatizam o processo.

As referências bibliográficas são de natureza multifacetada, abrangendo fontes que vão desde uma referência de livro à citações da wikipedia. Neste sentido, é bom que antes de começar a criar a sua própria citação de livro e referência bibliográfica, você tenha visto um modelo de referência com antecedência, evitando assim, erros de estrutura e formatação.

Lembre-se que a citação incorreta consta como plágio, ato considerado criminoso sob o artigo 184 do código penal, o qual visa que a violação dos direitos autorais é crime. A punição para o crime de plágio varia, abrangendo desde multas à reclusão de até quatro anos. Caso você não seja do tipo que gosta de arriscar a reclusão por tempo o suficiente para graduar ou o prejuízo financeiro advindos de um erro em um trabalho acadêmico, é bom checar a estrutura correta para citações e referências bibliográficas.

Lembre-se de rever se absolutamente todas as fontes e citações utilizadas no decorrer do seu trabalho estão creditadas no mesmo. Afinal, um erro simples pode custar muito, saiba sempre ser prevenido e evitar consequências desnecessárias. 

Existem cinco tipos de plágio reconhecidos em território brasileiro: o plágio consentido, plágio de fontes, plágio direto, plágio indireto e autoplágio. É fundamental como estudante e autor que você conheça todos os tipos de plágio, suas ressalvas e as informações nas entrelinhas a fim de evitar cometer erros que possam ser evitados.

Conheça os cinco tipos de plágio

Agora que você sabe a importância de conhecer os diferentes tipos de plágio reconhecidos no Brasil, antes de escrever seu trabalho acadêmico, leia sobre os diferentes tipos de plágio a seguir:

1 – Plágio consentido

O plágio consentido ocorre quando o autor de uma obra (desde música e artes à um TCC de medicina) permite que outra pessoa assine o seu trabalho. Embora hajam opiniões controvérsias, este tipo de plágio é legalizado e envolve – como o próprio nome afirma – o consentimento de ambos os partidos envolvidos na troca. Esse tipo de “plágio” ocorre, por exemplo, com a venda de trabalhos acadêmicos.

2- Plágio de fontes

Embora este tipo de plágio seja menos conhecido, é considerado crime. Quando um autor recorre às fontes utilizadas por outro autor, como se as tivesse consultado de primeira mão, constitui-se uma forma de plágio no formato da sua referência bibliográfica.

3- Plágio direto

O plágio direto ocorre quando trechos são retirados de uma fonte e creditados à outra (sem nenhuma menção da obra original ou referência/citação válida). Isso não se aplica à paráfrases e citações diretas que estejam dentro do regulamento da ABNT.

4- plágio indireto

Sabe quando você está fazendo um trabalho em grupo e aquela pessoa da sua equipe te envia um documento do Word de uma página no último minuto com um texto que ela claramente pegou da internet e só mudou algumas palavras? Essa atitude configura-se como plágio indireto e é um crime.

5- Autoplágio

Ao citar trechos próprios de obras anteriores como ideias originais você está cometendo o ato de autoplágio, implementando uma falsidade ideológica em seu texto.

A importância das referências bibliográficas