Aprenda a ler rótulos para saber exatamente o que você está levando para casa

Fazer compras no supermercado é um momento metódico para muitas pessoas: elaborar listas e pesquisar preços leva tempo, mas é crucial para a economia e consumo básico.

Aprenda a ler rótulos

Mas, estranhamente, não é assim na hora de ler rótulos, mesmo que sejam cruciais para um consumo mais consciente e saudável.

Uma pesquisa publicada pelo Datafolha em 2018 mostra que cerca de 48% dos brasileiros não costumam ler as informações nutricionais que vem no rótulo dos produtos.

O cenário não é muito positivo nem mesmo entre a parcela de 52% de pessoas que leem os rótulos: 35% dizem que entendem mais ou menos, 14% dizem que entendem completamente e 3% não entendem nada.

A leitura dos rótulos dos produtos que consumimos diariamente é uma ação determinante para levar uma vida mais saudável.

Acompanhe este texto para entender melhor a importância desse hábito, o que as leis brasileiras dizem sobre o que deve haver nos rótulos e algumas dicas sobre como ler as informações corretamente.

Por que ler rótulos de alimentos?


Os rótulos existem para informar ao consumidor os valores nutricionais e os ingredientes contidos nos produtos alimentícios.

Assim, é uma medida crucial para consolidar uma relação de transparência entre as marcas e os consumidores.

Afinal, vender e comprar alimentos é diferente de comercializar Consultoria totvs protheus. Pois, por mais que em ambos os casos a satisfação e integridade do seja crucial, o alimento impacta mais diretamente na saúde geral.

Nos tópicos a seguir, destacamos as principais razões para ler com atenção os rótulos dos produtos que você consome.

1. Ter certeza sobre o que está consumindo


As informações nutricionais e os ingredientes usados em cada alimento são dados necessários para que você tenha certeza da qualidade do que está comprando.

Quando uma empresa deseja explorar uma área da natureza com qualidade e sustentabilidade, é feito um levantamento para um possível resgate de fauna e flora em outras áreas para compensar.

Essa é uma medida preventiva para garantir que toda a operação sairá como foi planejada.

Fazendo uma comparação ambiciosa, no momento de comprar produtos alimentícios o consumidor passa por uma situação parecida.

Isso porque ele precisa ter certeza absoluta de que o mantimento que ele está pensando em comprar não vai afetar a saúde. A leitura dos rótulos dá essa possibilidade.

2. Ter uma alimentação mais equilibrada


Os supermercados são cheios de publicidades atraentes, como o panfleto de ofertas e o balcão expositor refrigerado para supermercado chamando a atenção para produtos específicos ao longo dos corredores.

Apesar de muitas vezes trazerem opções interessantes, apenas quem lê os rótulos têm informações suficientes para começar uma dieta mais balanceada e não se deixar levar apenas pela propaganda.

A tabela com os valores nutricionais é um instrumento muito valioso para isso. Por isso, ela é composta pelos seguintes dados:

  • Porção;
  • Quantidade por porção;
  • VD% (ingestão diária recomendada);
  • Nutrientes.

A porção indica a quantidade do produto que a empresa fabricante usa para apontar os valores nutricionais da tabela.

A quantidade por porção é a quantidade nutricional que cada porção tem.

Já os nutrientes são os elementos que fazem parte daquela refeição associados à média ideal de consumo de calorias por dia.

Por fim, o VD% é a porcentagem que o produto representa no valor total da alimentação diária considerada adequada.

3. Evitar problemas de saúde


Os fabricantes são obrigados a indicar na embalagem quando um produto pode causar alergias.

Então, se você é alérgico a glúten, por exemplo, pode escolher um alimento que não tenha glúten na composição, preservando sua integridade.

Dessa forma você cuida da sua saúde e também pode desenvolver outros hábitos saudáveis, como conciliar o consumo de barras de cereal sem glúten e a realização de exercícios em uma academia de natação Zona Norte.

O que a lei brasileira diz sobre os rótulos?


A rotulagem dos alimentos é controlada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

De acordo com a agência, todos os produtos alimentícios devem conter lista de ingredientes, prazo de validade, local de fabricação, lote, conteúdo líquido e tabela nutricional. Confira detalhes sobre essas informações nos tópicos a seguir.

1. Lista de ingredientes


A lista de ingredientes não precisa ser incluída na embalagem de produtos com ingredientes únicos, como café, açúcar, leite e vinagre, mas podem ser apresentados quando há inclusão de substância nas fórmulas e demais produtos “compostos”..

A lista deve vir em ordem decrescente, do ingrediente em maior quantidade até o ingrediente em menor quantidade.

2. Prazo de validade


O prazo de validade deve informar ao menos o dia e o mês quando ele for menor que três meses. Nos casos em que o prazo é maior que três meses, deve haver o mês e o ano.

Se a validade acabar no mês de dezembro, a empresa pode indicar apenas o ano.

Também é preciso indicar se houve mudança no prazo de consumo após a embalagem ser aberta, como é o caso do leite.

Lembre-se que produtos com validade vencida podem apresentar substâncias maléficas à saúde e ao corpo, e por isso o consumo não deve ser feito.

3. Local de fabricação e lote


O local de fabricação e o lote são informações importantes para o consumidor conferir a procedência do produto e poder entrar em contato com a empresa, se for necessário.

O lote é o número usado para identificar a remessa em que o produto em questão foi produzido.

A fabricação de equipamentos industriais é feita em série. A produção alimentar também segue essa lógica.

Desse modo, o lote informa os produtos que foram produzidos em um mesmo período e sob as mesmas condições.

4. Conteúdo líquido


O conteúdo líquido informa a quantidade total de produto que há na embalagem. Tradicionalmente, o valor é expressado em quilos ou em litros.

5. Tabela nutricional


Como já apontamos mais cedo no texto, a tabela nutricional discrimina todos os ingredientes contidos nos produtos.

É importante para que os consumidores saibam exatamente o que eles estão adquirindo e consumindo, do mesmo modo que um distribuidor de escova progressiva precisa especificar os componentes dos seus produtos, essa medida evita que substâncias alérgenas, por exemplo, sejam ingeridas.

Dicas para ler rótulos


Os rótulos se dividem em duas partes, a lista de ingredientes e as informações nutricionais.

Nós já detalhamos os dados contidos em cada uma dessas partes. Nesse tópico, iremos dar algumas dicas para poder ler rótulos com mais qualidade, entendendo tudo o que está escrito neles.

1. Fique atento aos nomes


Há ingredientes que possuem muitos nomes diferentes. É o caso do açúcar, que pode aparecer como xarope de glicose, xarope de milho e glicose de milho.

Os termos light e diet também costumam causar algumas confusões.

Os alimentos light tem uma certa redução de ingredientes gordurosos na composição. Essa redução é de cerca de 25%. Os alimentos diet, por outro lado, tem ingredientes totalmente excluídos da composição.

2. Confirme as informações


Vamos supor que um iogurte venha com um aviso escrito “sem lactose”. Nesse caso é indicado conferir os ingredientes contidos nele para confirmar a informação.

Isso é necessário porque a ausência de lactose não quer dizer que o produto não possa conter outras proteínas do leite.

Os iogurtes sem lactose, por exemplo, costumam ter a enzima lactase, que é uma proteína derivada do leite.

Sendo assim, fique atento a esses avisos e confirme as informações sempre que for preciso.

3. Duvide de informações vagas


Quando a embalagem de um certo produto tem expressões tais como “pode conter” significa que o produto é fabricado com utensílios compartilhados.

Nesse modo de produção pode acontecer contaminação cruzada. Dessa forma, o consumidor que possuir alguma alergia pode ser prejudicado.

A leitura meticulosa dos rótulos evita situações desse tipo e orienta o consumo das pessoas e os cuidados que podem ser necessários.

Essa consciência é essencial a todos os ramos de atuação, não só às compras. Uma empresa de automação pneumática industrial não funcionará bem sem normas e regras a serem observadas, por exemplo.

4. Saiba diferenciar as gorduras


Há pelo menos dois tipos de gorduras que podem estar presentes na composição nutricional de produtos alimentícios: as gorduras saturadas e as gorduras trans.

As gorduras saturadas compõem todos os alimentos de origem animal. Elas devem ser consumidas com moderação, pois seu excesso pode causar doenças cardiovasculares.

Já as gorduras trans são encontradas em alimentos altamente industrializados.

O corpo humano não se beneficia com o consumo desse tipo de gordura, então, é também recomendável consumi-la com razoabilidade.

As embalagens também trazem as chamadas gorduras totais, que são a soma dos tipos de gorduras presentes no alimento.

Quando o valor das gorduras totais passa dos 6 gramas, é sinal de que o produto em questão é muito gorduroso e deve ser consumido com atenção e, inclusive, evitado em algumas dietas e condições de saúde.

5. Olhe a data de validade


Esse é um erro clássico na hora de comprar alimentos. Não deixe de observar a data de validade.

Assim, você tem certeza de que o que você está comprando pode ser consumido sem prejuízos à sua saúde e qual o tempo hábil para isso, para que não se perca o produto em um curto período após comprá-lo.

Ou seja, caso a data esteja próxima, pense se realmente vale a pena comprar o produto.

Pode ser que você o consuma logo que sair do mercado ou naquela mesma semana. Nesse caso, não há problema.

No entanto, se você acha que pode demorar a comer algo que comprou, é melhor optar por produtos com uma data de validade mais distante.

Conclusão


Os rótulos dizem tudo o que o cliente precisa saber sobre o produto que está na prateleira do supermercado.

Mesmo assim eles podem confundir as pessoas com informações pouco claras e termos complicados.

Preparamos este texto para esclarecer algumas dúvidas sobre a leitura de rótulos e dar informações valiosas para o consumo das pessoas.

A alimentação saudável é essencial para uma vida plena e duradoura, afinal, alimentar-se bem é um autocuidado muito importante.

Quem lê os rótulos está se certificando das substâncias que entram no próprio corpo. É uma defesa própria, tão eficiente quanto comprar porta de ferro para a sua residência

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.
Postagem Anterior Próxima Postagem