Slow Beauty: o que é e como aderir

Movimento traz mais consciência ambiental à nossa rotina de autocuidado

Slow Beauty

Há algum tempo, a forma como consumimos vem sendo questionada, principalmente por conta dos excessos próprios do sistema capitalista, que nos incentiva a comprar desenfreadamente. Ao mesmo tempo, surgem cada vez mais movimentos que buscam alternativas mais saudáveis e ecologicamente corretas para o cotidiano.

E o mundo da beleza não ficaria para trás, é claro. Pensando em oferecer produtos cosméticos orgânicos, mas ao mesmo tempo potentes, num claro incentivo à beleza natural, surge o movimento Slow Beauty. Hoje, você vai conhecer um pouco mais sobre ele, quais as suas principais vantagens e como aderir.

Slow Beauty: beleza no seu tempo


Se buscarmos uma tradução em português para “Slow Beauty”, teremos algo como “beleza lenta”. E não é difícil entender o porquê. Enquanto a indústria de cosméticos tradicional busca efeitos imediatos com o uso de muitos produtos químicos, este movimento utiliza de elementos completamente naturais.

Isso mesmo. O maior diferencial do Slow Beauty é a utilização de ingredientes orgânicos, veganos e naturais. Nada aqui pode ser feito com matéria-prima animal, tampouco vir de uma plantação rica em agrotóxicos. A ideia é ter ingredientes limpos de quaisquer tipos de agressão à natureza.

Trata-se de uma espécie de filosofia de vida: o cuidado consciente, de modo desacelerado, aplicado à maneira como estamos lidando com os nossos cosméticos. O objetivo final? O bem-estar do nosso corpo e da nossa pele.

O movimento surgiu nos Estados Unidos e vem ganhando adeptos no mundo inteiro, inclusive no Brasil. Já existem marcas totalmente voltadas para esse novo segmento, mas também há uma mudança de postura de marcas tradicionais ao zerar o nível de parabenos, sulfatos e álcool na composição de seus produtos.

Alergia nunca mais


Por serem livres de ingredientes químicos, como os já mencionados parabenos, álcool e fragrâncias, a chance de você ter alguma reação alérgica usando um produto orgânico e natural é praticamente nula.

Não é à toa que muitas das marcas tradicionais têm investido pesado em remover tais ingredientes nos seus cosméticos.

Sua pele agradece


Os ativos que são encontrados nesses produtos naturais fazem um bem danado à sua pele, sem falar nos seus principais benefícios, tais como ação antioxidante, prevenção do envelhecimento, hidratação e, é claro, melhor na qualidade da sua pele.

Ingredientes como argila branca (que tem ação cicatrizante, adstringente e anti-inflamatória), vitamina C e resveratrol, um derivado da uva (ambos têm poder antioxidante) fazem toda a diferença.

O ácido hialurônico, por sua vez, é produzido pela própria pele, mas com o passar do tempo (mais especificamente a partir dos 25 anos), sua quantidade começa a cair e, por isso mesmo, é necessário fazer uma reposição. Tal substância ajuda na revitalização, no preenchimento e na sustentação da derme.
 

Faça você mesmo


Para quem gostou do movimento Slow Beauty, uma possibilidade bem interessante é se jogar nas famosas receitinhas caseiras. A babosa, a aveia, o mel e o açúcar são exemplos de alimentos que podem ser usados nas suas misturinhas. Isso é claro, tendo consciência do que usar.

Frutas cítricas, como limão, e ervas, como arruda, salsinha e coentro, quando expostas ao sol podem causar manchas e queimaduras na pele. Já os crisântemos e a aroeira podem causar dermatite de contato. Portanto, verifique antes quais ingredientes usar e se eles são compatíveis entre si.

Na dúvida, o melhor mesmo é recorrer a marcas que já estão estabelecidas no mercado e, principalmente, comprometidas com a ideia de uma beleza limpa, tanto para a nossa pele quanto para o meio ambiente.

Sem dúvidas, você vai encontrar todos os produtos que você precisa de um jeito um tanto quanto minimalista e muito mais saudável. Esse é um cuidado que vale a pena ter com você mesmo e com o meio ambiente.
Postagem Anterior Próxima Postagem